Angra 14/12/2018. Hoje consigo passar o que escrevi.

Hoje enterro memórias felizes de dias de verão próximos à praia, com visitas e casa cheia. Enterro o aconchego de um abraço, mesa grande e casa sempre aberta. Perdi alguém. Uma mulher incrível que parecia verão, rica de alegria e dona das festas mais criativas que já conheci. Amiga dos amigos dos seus filhos e uma segunda mãe. Que falta sentirei daquela abraços e que falta sentirei de compra- la com Coca Cola e beijos.

Fui conquistada por seu respeito, ela deixou eu fazer um pouco da parte da vida dela e também permitiu que eu acompanhasse seus menores crescerem. Não sei se ela sentia o mesmo mas eu a considerava uma das minhas melhores amigas e sou até hoje a melhor amiga do seu filho mais velho. Ao todo com ela tive o privilégio de mais de duas décadas de amizade.

Posso me retratar dizendo que não enterro memórias felizes. Vou dizer que as relembrarei sempre com saudades de todos os momentos que passamos juntas. Fecho meus olhos e vejo suas gargalhadas, lembro do seu cheiro. Ela era autoridade, paciência, persistência, fé, amor… enfim, era aquilo tudo de mãe. “Minha magrela linda”. Era assim que ela me chamava. E disso também sentirei saudades…

Fátima Stieboldt.

Não tenha medo

Não importa o que seja,não existe ninguém tão seguro na vida, então pare de procurar garantias de que tudo TEM que dar certo! Não existem garantias no seu futuro. Por que então as pessoas procuram tanto que as coisas dêem certo a todo tempo? Lembre-se que quando criança para aprender a andar você caiu várias vezes. O problema é que quando crescemos colocamos pessoas nossas costas… nos nossos medos. Seja o medo de decepcionar os pais e amigos, medo de ser criticado,de se decepcionar,de ser julgado,ser deixado de lado pelas pessoas e etc. Então você começa a se travar, o desconhecido nunca é bem aceito mas as pessoas vão passar por ele e essa zona vai fazer com que adquiriram experiência, sabedoria e aprendizado. Mas depende você só você para encarar isso!

Momento

Com o tempo acabei aprendendo que a única maneira pra proteger a minha paz é controlando como sempre reajo a tudo. Cada sensação tem seu jeito próprio de dizer venci! Lembro-me bem quando nosso tesão chegou a linha de chegada, ele veio pelo celular. Desembaraçoso, desinibido, juvenil e cheio de energia. Sempre trazendo consigo alguma coisa indecifrável, parte de um alguém misterioso. Tem uma presença marcante e boa companhia, daquelas que sempre se quer ter por perto. Um jeito de menino em um corpo de homem pervertido, um alguém pra se ter cuidado porque é viciante. O cuidado se aplica quando ele consegue lidar com que está acontecendo no exato momento em que se abre a guarda. Se ele sempre foi assim não se sabe. Se ainda pretende ser? Talvez seja algo que nem o próprio saberá… Em dias nos quais tudo parece chato seria alguém para se ter por perto. Mas ele não se prende e por isso quem tem o privilégio do convívio direto aprenda que é necessário deixá-lo voar, paredes não são sua morada e nem um cadeado consegue aprisionar algo que nasceu pronto para ser um marco pra e na vida de alguém. Quem consegue tê-lo o terá por inteiro. Mas isso não dependerá do outro sim dele próprio. Poucos homens tem essa essência e essa mistura gostosa de bem querer eu espero que esse pequeno gafanhoto saiba usá-la. Seria um desperdício e se perder com tantos no meio do caminho. Ainda não sei o que posso decifrar. Mas já agradeço a possível futura amizade e também a essa aprendizagem…diferente de tudo o que eu já conheci. 06/02/2021

Dói assim.

Eu ia, mesmo depois de um dia cansativo, chegar em casa, tomar meu banho,alimentar meu gato, comer algo, conversar com a minha mãe, organizar a minha roupa para o trabalho de amanhã pra sentar após tudo isso e cuidar de mim um pouco. Pensei em pintar minhas unhas de vermelho porque é uma cor que alegra minhas mãos e me dá uma sensação de bem estar, além de me sentir poderosa. Coisas fúteis de mulher, acho que só nós nos entendemos mesmo…

Me sentia plena depois desse dia longo. Estava calma e então meus dedos me traíram. Passei uma mensagem onde até fui bem recebida mas que me deixou pra baixo mais uma vez. Meu dia foi tão corrido. Nem recebi um bom dia. Mas como cobrar se nem ao menos eu também dei? Deixei passar… na noite será mais eu e ele eu vou poder “jogar conversa fora” e matar a saudade em uma conversa fiada entre dois estranhos que ainda tentam seguir juntos apesar dos pesares.

Eu tenho me sentido sozinha nesse ano… sem amigos próximos e sem meu grande amor. Metade do ano passou como areia entre meus dedos e eu não pude fazer nada. Eu não quis passar por sustos sozinha mas foi uma espécie de escolha. Acho que na verdade as tentativas de pedir ajuda me mostraram que era o melhor a se fazer. Era uma porrada atrás da outra, um fora atrás do outro o estresse a flor da pele vinte e quatro horas por dia. Eu me senti pequena e quis de verdade que algo acontecesse pra com a dor eu mudar a minha vida. Ia desistir do que eu mais queria e ia seguir em frente. A doença ia passar e quando tudo acabasse eu ia estar forte pra sofrer e então recomeçar. Ia ter as unhas vermelhas e um sorriso no rosto. Poucos ao meu lado. Mas ia ter vontade de viver!

Medo de criança

A gente não combina. Mas mesmo assim sempre nos demos bem. Não,eu não sou (como a música diz) feito um sonho seu e não quero ser pois ainda acho que é isso, que é com essa falta de combinação que as coisas dão certo. Acho que somos melhores juntos,e se hoje você ache que não nos damos mais tão bem assim basta olhar pra dentro. Não estou no seu pensar e sentir e na verdade gostaria de saber o que pensa… o tempo todo. Só assim eu conseguiria te enlouquecer menos. É nesse exercício do olhar pra dentro que reconheço o quanto nada mudou. É, não nos damos bem. Mas somos diferentes e mudamos e ainda mudaremos mais. Mas ainda choro quando você vai embora,me perco te olhando e te vigio dormir com as mãos no rosto, perco a direção quando estamos numa fase difícil, você muda meus caminhos o tempo todo sem ao menos notar, me irrita quando diz estar sempre com a razão e me chateia quando me mostra (mesmo dizendo que não) que eu te atrapalho…dentre outras coisas só nossas. Sinto dizer que perdemos muito as manias de antes, os telefonemas de domingo,as mãos dadas e as despedidas…

O que aconteceu com a gente?

01/09/2013

Renasço a cada dia de formas diferentes.

Sou homem e mulher ao mesmo tempo em muitas manhãs e ao final do dia me encontro novamente aos treze anos de idade ou de volta a maternidade.

A forma como o tempo chega é diferente pra todos pois somos diferentes!

Possuo também a estranha mania de achar que sei quando é o tempo exato das coisas, mas sabemos que no final não funciona bem assim… não posso tentar receber dos outros o mesmo que, por prazer, acabo por doar e acho decepcionante passar por isso.

Meus sonhos pertencem de uma certa forma a um outro ser, assim como certas alegrias e também tristezas! E por que não receber um pouco do que acabo por doar?

Como por exemplo o tempo…

Estou um pouco cheia da falta dele!

Vinte e oito de setembro

O dia começou com a promessa de um novo começo . Tento esvaziar algo que antes era tão cheio de coisas fora do lugar.

Por onde começar? Esvaziei gavetas onde antes estavam coisas apenas físicas mas não consigo diminuir o volume de lembranças que ainda estão permanentes na minha cabeça. Não sei o que esperar e por isso apenas aguardo o que a vida me reserva. Perdi por alguns dias hábitos antes adquiridos pelo o que eu chamava de essência… perdi também a mesma de alguém. Me vi abstraída, longe do que eu sou.

As pessoas sabem o que é melhor para você ao olhar delas.

A vida é desumana e cruel às vezes. Ela nos decepciona, nos enche de mágoa e nos entristece, mas só quando nós nos permitimos. Estive perdida por anos achando que tinha me achado. O ser humano vive em conflitos internos tão grandes que achamos que somos incapazes de seguir em paz com nossas decisões e ações que geram consequencias não esperadas a quais julgamos incapazes de aguentar.

Ando confusa no que diz respeito aos pensamentos, tenho vontade de sumir e me desapegar logo de coisas que me sufocam. Ainda prefiro ficar sozinha.

Tenho gavetas internas para organizar.

Dói assim

Eu ia, mesmo depois de um dia cansativo, chegar em casa, tomar meu banho, alimentar meu gato, conversar com a minha mãe, comer algo e sentar após tudo isso pra cuidar de mim um pouco. Pensei em pintar as unhas de vermelho porque é uma cor que alegra minhas mãos e que me dá uma sensação de bem estar, além de me sentir poderosa. Coisas fúteis de mulher, acho que só nós nos entendemos mesmo…

Me sentia plena depois desse dia longo. Estava calma e então meus dedos me traíram. Passei uma mensagem onde até fui bem recebida mas que me deixou pra baixo mais uma vez. Meu dia foi tão corrido. Nem recebi um bom dia. Mas como cobrar se nem ao menos eu também dei? Deixei passar… na noite será mais eu e ele eu vou poder “jogar conversa fora” e matar a saudade em uma conversa fiada entre dois estranhos que ainda tentam seguir juntos apesar dos pesares.

Eu tenho me sentido sozinha nesse ano… sem muitos amigos próximos e sem meu grande amor. Metade do ano passou como areia entre meus dedos e eu não pude fazer nada. Eu não quis passar por sustos sozinha mas foi uma espécie de escolha. Acho que na verdade as tentativas de pedir ajuda me mostraram que era o melhor a se fazer. Era uma porrada atrás da outra, um fora atrás do outro o estresse a flor da pele vinte e quatro horas por dia. Eu me senti pequena e quis de verdade que algo acontecesse pra com a dor eu mudar a minha vida. Ia desistir do que eu mais quero e ia seguir em frente. A doença ia passar e quando tudo acabasse eu ia estar forte pra sofrer e então recomeçar. Ia ter as unhas vermelhas e um sorriso no rosto. Poucos ao meu lado. Mas ia ter vontade de viver!

Nem sempre é fácil

O tempo passa entre os dedos e quem deixa esse precioso período passar sem ao menos ter aproveitado os momentos erra consigo mesmo. Muito se deixa quando deixamos de fazer! É clichê mas é certo.

Acho que o que falta em tudo o que fazemos é amor.

Aquele que nos move nos faz sentir vivos e nos impulsiona todos os dias. Ainda falta muito pra eu ser quem eu gostaria de ser. E falta muito pra entenderem que se eu fizer farei por mim. Se nesse meio tempo eu for amada ou quem sabe admirada vai valer a pena. No momento não me sinto assim. Tá cada dia mais difícil.

Também tenho meus dias estressantes sabe…mas é neles que procuro um certo alguém pra anestesiar o inferno de um momento ruim ou a possível cura para meus nervos que nem sempre estão controlados. Esperando amor pra doar amor e ser “mais fácil” o momento que estou vivendo.

Distância de almas

Todos os dias,todas as vezes, em cada momento me sinto assim. Meio oficial de registro da minha alma. Por vezes tão difícil quanto antes de coisas que estão fora do lugar. É como se estivesse em uma coisa que eu tenho que fazer e que fico a toda hora tentando me convencer que é o melhor para ambos. A questão é: ainda continuo tentando fazer isso a todo momento pelo simples fato do que sinto,esse amor que por vezes me sufoca. Amo tanto que chega a doer…digo que dói te amar! Mas isso deveria doer? Antes de tomar uma decisão pense converse sobre com alguém… faça isso por dias,meses e em alguns casos por anos. Ainda continuo perseverante mas ainda me pergunto por quanto tempo ainda vou aguentar esse nó na garganta que distorce meus hábitos e que remodela todas as vezes que olho pra você.

Será que está acontecendo novamente…me transformei em algo que eu não sou?

“Fala da minha mãe mas me trata como o meu pai.”

Não tenho muitos exemplos masculinos de carinho e parece que me afasto daqueles que podem estar querendo me dar de graça e sem esforço isso que eu procuro sempre alcançar.

Ainda falta muito pra eu ser o que esperam.

Não vejo problemas em ser o maior exemplo de amor que eu já vi em toda a minha vida. (Te amo mãe)

Entradas Mais Antigas Anteriores