Vinte e oito de setembro

O dia começou com a promessa de um novo começo . Tento esvaziar algo que antes era tão cheio de coisas fora do lugar.

Por onde começar? Esvaziei gavetas onde antes estavam coisas apenas físicas mas não consigo diminuir o volume de lembranças que ainda estão permanentes na minha cabeça. Não sei o que esperar e por isso apenas aguardo o que a vida me reserva. Perdi por alguns dias hábitos antes adquiridos pelo o que eu chamava de essência… perdi também a mesma de alguém. Me vi abstraída, longe do que eu sou.

As pessoas sabem o que é melhor para você ao olhar delas.

A vida é desumana e cruel às vezes. Ela nos decepciona, nos enche de mágoa e nos entristece, mas só quando nós nos permitimos. Estive perdida por anos achando que tinha me achado. O ser humano vive em conflitos internos tão grandes que achamos que somos incapazes de seguir em paz com nossas decisões e ações que geram consequencias não esperadas a quais julgamos incapazes de aguentar.

Ando confusa no que diz respeito aos pensamentos, tenho vontade de sumir e me desapegar logo de coisas que me sufocam. Ainda prefiro ficar sozinha.

Tenho gavetas internas para organizar.

Dói assim

Eu ia, mesmo depois de um dia cansativo, chegar em casa, tomar meu banho, alimentar meu gato, conversar com a minha mãe, comer algo e sentar após tudo isso pra cuidar de mim um pouco. Pensei em pintar as unhas de vermelho porque é uma cor que alegra minhas mãos e que me dá uma sensação de bem estar, além de me sentir poderosa. Coisas fúteis de mulher, acho que só nós nos entendemos mesmo…

Me sentia plena depois desse dia longo. Estava calma e então meus dedos me traíram. Passei uma mensagem onde até fui bem recebida mas que me deixou pra baixo mais uma vez. Meu dia foi tão corrido. Nem recebi um bom dia. Mas como cobrar se nem ao menos eu também dei? Deixei passar… na noite será mais eu e ele eu vou poder “jogar conversa fora” e matar a saudade em uma conversa fiada entre dois estranhos que ainda tentam seguir juntos apesar dos pesares.

Eu tenho me sentido sozinha nesse ano… sem muitos amigos próximos e sem meu grande amor. Metade do ano passou como areia entre meus dedos e eu não pude fazer nada. Eu não quis passar por sustos sozinha mas foi uma espécie de escolha. Acho que na verdade as tentativas de pedir ajuda me mostraram que era o melhor a se fazer. Era uma porrada atrás da outra, um fora atrás do outro o estresse a flor da pele vinte e quatro horas por dia. Eu me senti pequena e quis de verdade que algo acontecesse pra com a dor eu mudar a minha vida. Ia desistir do que eu mais quero e ia seguir em frente. A doença ia passar e quando tudo acabasse eu ia estar forte pra sofrer e então recomeçar. Ia ter as unhas vermelhas e um sorriso no rosto. Poucos ao meu lado. Mas ia ter vontade de viver!

Nem sempre é fácil

O tempo passa entre os dedos e quem deixa esse precioso período passar sem ao menos ter aproveitado os momentos erra consigo mesmo. Muito se deixa quando deixamos de fazer! É clichê mas é certo.

Acho que o que falta em tudo o que fazemos é amor.

Aquele que nos move nos faz sentir vivos e nos impulsiona todos os dias. Ainda falta muito pra eu ser quem eu gostaria de ser. E falta muito pra entenderem que se eu fizer farei por mim. Se nesse meio tempo eu for amada ou quem sabe admirada vai valer a pena. No momento não me sinto assim. Tá cada dia mais difícil.

Também tenho meus dias estressantes sabe…mas é neles que procuro um certo alguém pra anestesiar o inferno de um momento ruim ou a possível cura para meus nervos que nem sempre estão controlados. Esperando amor pra doar amor e ser “mais fácil” o momento que estou vivendo.

Distância de almas

Todos os dias,todas as vezes, em cada momento me sinto assim. Meio oficial de registro da minha alma. Por vezes tão difícil quanto antes de coisas que estão fora do lugar. É como se estivesse em uma coisa que eu tenho que fazer e que fico a toda hora tentando me convencer que é o melhor para ambos. A questão é: ainda continuo tentando fazer isso a todo momento pelo simples fato do que sinto,esse amor que por vezes me sufoca. Amo tanto que chega a doer…digo que dói te amar! Mas isso deveria doer? Antes de tomar uma decisão pense converse sobre com alguém… faça isso por dias,meses e em alguns casos por anos. Ainda continuo perseverante mas ainda me pergunto por quanto tempo ainda vou aguentar esse nó na garganta que distorce meus hábitos e que remodela todas as vezes que olho pra você.

Será que está acontecendo novamente…me transformei em algo que eu não sou?

“Fala da minha mãe mas me trata como o meu pai.”

Não tenho muitos exemplos masculinos de carinho e parece que me afasto daqueles que podem estar querendo me dar de graça e sem esforço isso que eu procuro sempre alcançar.

Ainda falta muito pra eu ser o que esperam.

Não vejo problemas em ser o maior exemplo de amor que eu já vi em toda a minha vida. (Te amo mãe)

Foto

Quero paz.

Mas não aquela paz momentânea que disfarça os sentidos do que pensamos. Quis por muito tempo e a tive sem ao menos notar que ela era uma parte de mim…oculta muitas vezes mas sempre presente quando eu menos esperava.

É incrível o modo como medem o significado desse querer, é como se quando eu estivesse lutando algo inesperado acontecesse mexendo com meu sistema nervoso, me deixando trêmula, ofegante, cheia de conflitos me deixando mais uma vez totalmente vulnerável.

Eu não gosto de me sentir assim. Nunca! Se bem que controle nunca foi uma qualidade minha. Me excedo quase sempre.

Na verdade só existiu até hoje um agente capaz de fazer eu perder o compasso. E parece que nunca vai acabar. Acho que a verdade é que eu sinto saudade daquele furacão saudável que sempre vinha atravéz de apenas um olhar ou um toque. Hoje não restou mais a suavidade de nada. Nós nos matamos aos poucos e ainda assim não conseguimos nos desvencilhar disso. Por querer? Por medo? Amor?

Queria ter respostas.

Mas me resta esperar.

Certas coisas nunca mudam e o que não mata te fortalece.

Escolha

Vivemos em um mundo onde devemos escolher a dedo quem importa.

Aprender com eles e sentir que também somos importantes. Queremos ser presentes e precisamos ser presença. Sermos mostrados e continuar conhecendo mais e mais, amigos, família, defeitos… só pra confirmar que podemos continuar ainda por tempos e tempos…e eu escolho você!

Diferenças

Eu não me perdi.

E mesmo assim as coisas saíram do lugar e tomaram rumos diferentes. Não, eu não me perdi,apenas quis coisas que possivelmente o outro não queria me dar. Posso até estar despreparada, ser egoísta e ter defeitos… inúmeros dos quais você hoje não suporta mais.

Eu sou sol… você lua, ou seja, dia e noite.

Rio e mar

Água e óleo

Paz e guerra

Salto alto e tênis

Conversa e grito

Vento e furacão

Libra e áries

Mulher e homem

E ainda assim nós nos completávamos…

Cada um a seu modo

Cada indivíduo com personalidades diferentes.

Era não! É até hoje uma química que fez durar tanto. O conheço apenas pelo seu olhar, seus gestos…

Nos perdemos…

Comecei a achar que estava errada ao dizer isso… porque EU não me perdi.

Ainda acredito em você…

Novamente

E ela chorou… um choro triste soluçado e reprimido pra não ser notada…
Ela é assim. Chora quando não sabe o que fazer, e quem nunca se sentiu sozinho e por vezes perdido?
Ela nasceu pra ser feliz… esse choro tem solução.

Nada dura pra sempre…

Tudo passa…

Doze de Outubro

Eu chorei.

Um choro abafado, com soluço e reprimido.

Não quis demonstrar.

Ser forte todo dia me deixa sempre confiante de que a fraqueza é um estado passageiro.

Me decepcionei.

Desde que ações passaram a não signicar nada. Momentos estavam sempre em segundo ou até terceiro plano. Meus sonhos ficaram sem sentido e minha espera se tornou impaciente.

Sim eu chorei!

Pelo simples fato de não saber lidar com isso.

Pessoas estranhas me sondam melhor do que eu esperava e enquanto isso o tempo passa…

Como no meu sonho em que ouço que não correspondo mais às referências necessárias.

Meus sonhos… sempre negativos…

Nunca me perguntei o porquê…

Será que cansei?

Não queria que fosse assim…

Com atropelos

Informações mal passadas em telefonemas rápidos … conversas de dez minutos.

Ou dias e dias passados sem notícias.

Parecemos estranhos que são obrigados a conviver

Pra nós não sobrou mais afinidade devido à um amor que não quer morrer…

Sozinho

Às vezes é difícil… eu sei…

Madrugada mal dormida, barulho e o saber da causa disso tudo. É um caos já existente a tempos, daqueles que arregalam os olhos!

Sempre é difícil!

Sem motivo aparente e com o mundo desabando em nossas costas… começando devagar… pra depois explodir em nossas cabeças!

Nos sentimos sozinhos.

Carentes

Com esse nó que não desce da garganta,que sufoca nossos gritos!

Pensamos: com quem podemos contar?

Sozinhos… nos sentimos sozinhos…

Entradas Mais Antigas Anteriores